• Antecendentes

  • Responsive image

    140 pessoas concentram 20% da riqueza de todo o país. Ver más.

  • Responsive image

    Os 50,6% dos trabalhadores de Chile ganham 534 dólares mensais ou menos. Ver más

  • Responsive image

    68% da cidadania chilena se sente injustiçada pela saúde no país, 67% sobre a la educação, e 66% a respeito de que algumas pessoas sejam tratadas com muito mais dignidade. Ver más

  • Responsive image

    Países como a Croácia e a Romênica, que tem um PIB idêntico ao do Chile, têm salários mínimoa 47% e 59% superior, respectivamente. Ver más

  • Responsive image

    Os últimos casos de evasão de impostos, fraudes fiscais, colusões e outras fontes de desigualdade somam US$ 4,982 bilhões, o que equivale a 1,7% do PIB chileno, 126.621 habitações sociais, 28 hospitais ou 33.117.619 pensões básicas de solidariedade por mês. Ver más

  • 28 Outubro

  • Siguen las manifestaciones a lo largo del país. En Santiago, manifestantes se expresan en los alrededores de La Moneda y son reprimidos por la policía.

  • Sebastián Piñera cambia a 8 ministros de su gabinete, reemplazando al cuestionado ministro del Interior, Andrés Chadwick, pero manteniendo a Gloria Hutt, ministra de Transportes, una de las autoridades cuestionadas. Ver más

  • Llega a Chile misión de la ONU que investigará por cuatro semanas los abusos a los Derechos Humanos cometidos durante las movilizaciones ciudadanas.

  • Desde las 00.00 horas, se levanta el estado de emergencia en todas las regiones en las que se habìa decretado.

  • 27 Outubro

  • Más de 100 mil personas marchan desde Viña del Mar hasta el Congreso, en Valparaíso, en una de las manifestaciones màs multitudinarias en la historia de la Región de Valparaíso.

  • Hasta el momento, hay al menos 20 muertos, más de 1.100 personas heridas en hospitales, y más de 3200 personas detenidas (347 de ellas son niños, niñas o adolescentes).

  • 26 Outubro

  • O presidente Sebastián Piñera revoga o estado de emergência para a Região Metropolitana e pede a renúncia de todos os seus ministros e ministras, com o objetivo de “estruturar um novo gabinete, para enfrentar as novas demandas e assumir responsabilidades nestes novos tempos”.

  • O governo anuncia que avalia revogar todos os estados de emergência no Chile, a partir das 00h do domingo 27.

  • 25 Outubro

  • A ativista ambiental Greta Thunberg envia uma mensagem de solidariedade ao povo chileno. Ver más

  • Mais de 1.2 milhões de pessoas marcham em Santiago, em uma das maiores mobilizações que se tem registro na história do Chile. Estima-se que 1 em cada 5 habitantes da Grande Santiago saiu para a marcha. Por todo o país a cidadania sai às ruas para pedir o fim dos abusos, mais igualdade, em um ambiente familiar e criativo.

  • Sétima noite com toque de recolher.

  • 24 Outubro

  • Em diferentes bairros de Chile começam a se autoconvocar encontros para analisar a crise social e criar propostas de mudança. Organizações sociais e ciudadanxs não organizados começam a se encontrar e debater em espaços públicos.

  • O Instituto Nacional de Direitos Humanos relata 2686 pessoas detidas e 245 feridos por armas de fogo em todo país. Ver más

  • Michelle Bachelet, Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, anuncia que enviará missão de verificação da ONU para examinar a situação de direitos humanos no Chile.

  • Apenas a região de Aysén se encontra fora do estado de emergência.

  • Segundo as autoridades, se registraram ao menos 18 mortes.

  • Sexto toque de recolher.

  • 23 Outubro

  • O Instituto Nacional de Direitos Humanos relata 2410 pessoas detidas e 210 feridos por armas de fogo em todo país. Ver más

  • O Instituto Nacional de Direitos Humanos relata que quatro pessoas detidas foram torturadas por policiais da 43 Delegacia de Peñalolén, na cidade de Santiago. Juízes invocaram a Convenção Internacional contra a Tortura para decretar medidas de proteção às vítimas. Ver más

  • Quinto toque de recolher declarado. Desta vez nas regioes de Valparaíso e Metropolitana, nas províncias de Concepción e nas cidades de La Serena, Coquimbo, Arica, Antofagasta, Calama, Tocopilla, Mejillones, Iquique, Alto Hospicio, Rancagua, Talca, Valdivia, Puerto Montt y Osorno.

  • Após comparecer na Câmara dos Deputados, o Ministro do Interior Andrés Chadwick nega ter responsabilidade política sobre as violações de derechos humanos registradas nos últimos dias.

  • 22 Outubro

  • O presidente Sebastián Piñera anuncia uma agenda social que contempla medidas tais como um aumento de 20% nas pensões solidárias (~$22.000), aumento do salário mínimo para $ 350.000, maiores impostos para os que possuem rendas mensais superiores a 8 milhões de pesos, suspensão do aumento das tarifas de luz, dentre outras medidas. Ver más

  • Quarto toque de recolher.

  • 21 Outubro

  • Quase mil detentos e graves violações dos direitos humanos, abuso sexual e tortura são relatados.

  • Se confirmaram ao menos 15 mortos desde o início das manifestações.

  • Em Curicó, zona onde não havia decretado estado de emergência, um militar assassinou José Miguel Uribe Antipani, de 25 anos. Militar que disparou está detido. Ver más

  • Manuel Alejandro Rebolledo Navarrete, de 22 anos, morre depois de ser atropelado por um caminhão militar nas proximidades de Talcahuano. Ver más

  • Depois de passar rapidamente uma nova lei, se elimina a ascensão do transporte público, o que não parece ter afeto no descontento social.

  • Marchas pacíficas são reprimidas com violência em todo Chile. Vídeos mostram militares disparando em manifestantes pacíficos em Las Condes y ameaçando-os com tanques.

  • Terceiro toque de recolher.

  • General Iturriaga declara: “Yo soy un hombre feliz, no estoy en guerra con nadie”.

  • Forças militares seguem nas ruas.

  • 20 Outubro

  • O Presidente Sebastián Piñera volta a falar sobre o país através da televisão, mantém um discurso centrado na delinquência. Não anuncia medidas concretas e convoca uma reunião para os presidentes de partidos políticos.

  • Em todo mundo se registram manifestações pacíficas em solidariedade com Chile.

  • Os cidadãos respondem através das redes sociais e das manifestações com a frase: "Não estamos em guerra", e exigem provas do governo da suposta organização criminosa.

  • "Estamos em guerra com um inimigo poderoso": o presidente Sebastián Piñera declara o Chile em guerra contra um inimigo interno que não define: "Estamos muito conscientes de que eles (os manifestantes) têm um grau de organização e logística que é característico da organização criminosa". O estado de emergência é alargado a 11 regiões.

  • O segundo toque de recolher é decretado, desta vez das 19h às 6h.

  • Os protestos continuam por todo o país.

  • As forças militares ainda estão nas ruas.

  • 19 Outubro

  • Duas mulheres mortas em fogo no supermercado em San Bernardo.

  • Manifestações se espalham para outras cidades do país e tumultos aumentam. Há danos em lojas, edifícios públicos, monumentos e igrejas.

  • Horário de recolher declarado entre as 22:00h e as 7:00h.

  • Apesar do anúncio do governo, os incidentes continuam e as estações de metrô são incendiadas.

  • Presidente Piñera anuncia que o aumento do preço do metrô será revertido.

  • Serviço de transporte terrestre (mini-autocarros) suspenso.

  • 18 Outubro

  • A cidadania das outras regiões indicam que as manifestações vão continuar.

  • Os panelaços e as manifestações de cidadãos continuam, agora vigiados e reprimidos pelas forças militares.

  • As manifestações são reprimidas e tornam-se violentas, com o aparecimento de numerosas barricadas.

  • O estado de emergência é declarado, permitindo que a presença de forças militares nas ruas controle a ordem pública pela primeira vez desde a ditadura militar.

  • Todas as linhas do Metrô estão fechadas indefinidamente.

  • Evasões massivas em várias estações de metrô tornam-se mais agudas. Forte repressão policial.

  • O Ministro Hutt exclui uma redução das tarifas: "Há uma decisão que já está estabelecida".

  • 17 Outubro

  • Os deputados da Renovación Nacional, Sebastián Torrealba e Karin Luck, respondem à situação apresentando um projeto de lei que penaliza aqueles que evadem no transporte público.

  • Juan Enrique Coeymans, presidente do Painel de Especialistas que fixa as tarifas do transporte público, afirma: "Quando tomates, pão, tudo sobe, não fazem nenhum protesto".

  • 16 Outubro

  • Clemente Pérez, ex presidente do diretório do Metrô, é entrevistado por evasões em massa y disse: “Homens, isso não ligou. Ele não ligou. Não são mais choros, não conquistaram o apoio da população. Nem mesmo no Twitter, onde esse tipo de movimento deveria ter mais apoio, realmente existe muito apoio. Na verdade, as pessoas estão em outro”.

  • O metrô decide não parar nas estações que apresentavam manifestações massivas ou evasivas.

  • Os manifestantes derrubam pela primeira vez na Plaza de Armas, a cerca metálica que impedia a entrada na Estação.

  • O Presidente Sebastián Piñera declarou que "todos nós temos o direito de nos expressar e de protestar, mas ninguém tem o direito de o fazer fora da lei (...) Quando a lei não é respeitada, a liberdade de todos os outros é violada", acrescentou o Chefe de Estado.

  • 15 Outubro

  • Face ao apelo à evasão em massa, a ministra dos Transportes, Gloria Hutt, salienta que "as crianças em idade escolar que não têm argumentos" porque o aumento das tarifas não foi para elas.

  • 14 Outubro

  • Por volta das 13:00 as primeiras evasivas massivas ao longo da Linha 1 do Metrô ocorrem. A instituição responde com o encerramento preventivo da estção Pedro de Valdivia e estende-se depois às estações da Linha 5. Ver más

  • 08 Outubro

  • O ministro da Economia, Juan Andrés Fontaine, refere-se ao aumento e diz: “O madrugador será ajudado com uma taxa mais baixa”. Ver más

  • 07 Outubro

  • Estudantes do Instituto Nacional organizam o primeiro dia de evasão em massa e começam a realizar a ação todos os dias em diferentes estações de metrô.

  • 04 Outubro

  • Painel de Especialistas que regulamenta o preço do transporte público em Santiago e anuncia um pacote de mudanças no preço do bilhete, que diminui os preços nos horários de menor pico, mas os aumenta em 30 pesos nos horários de maior pico, deixando o valor de uma viagem em até 830 pesos ($1.17 USD).